Cabeçalho

sexta-feira, 5 de julho de 2019

"os africanos que se encontram na Diaspora têm um sentimento de pertença muito elevado pela África em relação aos que se encontram em África."


De início achei um tanto quanto exagerada esta afirmação, uma vez que a fonte de quase todas as nossas reflexões começa em África, a fonte principal de quase todas as tradições que levaram na afirmação identitaria de  muitos que se encontram na Diaspora abraçassem as tradições é a própria África, seria contraditório se isto fosse verdade na sua totalidade.

Mas a medida que fui me aprofundando cada vez mais na busca do conhecimento das nossas tradições e concepções filosóficas Africanas me posicionei na história da África e compreendi que é verdade e ao mesmo tempo é um facto inegável que os que se encontram na Diaspora têm uma visão mais ligada as suas culturas e tradições. Mas esta realidade pode ser confrontada buscando algumas razões importantes para este afirmação bolingolativa em torno da África:

1. Primeiro, é que, os que se encontram na Diaspora defrontam-se frente a frente com o sistema racial não como uma Utopia, mas como um facto que eles vivem diariamente na qual muitos compreenderam a estrutura deste sistema;

2. Segundo, para além do  racismo activo, que foi o que levou a escravidão/ colonização dos povos africanos, na Diaspora o Racismo também é Institucional, na qual os pretos, os descendentes de uma forma geral não encontram espaço de manobra dentro daquelas sociedades; 

3. Terceiro, os que se encontram na Diaspora atendendo a dimensão da própria história da humanidade eles buscam e procuram saber o que se passou de facto em África na altura, e o porquê que os Europeus procuram de toda a forma subjugar os povos negros no mundo; 

4. Quarto, é que este facto permite aos que se encontram na Diaspora a buscarem o conhecimento a respeito da história da África e das culturas africanas partindo das suas civilizações, o que faz com que tenham um sentimento de pertença muito elevado pela África e se ligarem com os seus ancestrais ;

Partindo destas constatações, os que se encontram na Diaspora constroem a sua visão do mundo partindo das tradições africanas dando a estes uma nova estrutura do pensamento para afirmação da sua identidade. Uns se afirmam na base do Panafricanismo outros dentro das religiões tradicionais Africanas. 

Com o sistema de pensamento voltado ao Panafricanismo eles centram-se com a nova técnica intelectual que se se chama de Afrocentricidade colocando a África no quadro intelectual das suas abordagens históricas defendendo os valores e os interesses africanos em primeiro lugar. Maulana Karenga refere-se que: "Afrocentricidade é essencialmente uma qualidade de perspectiva ou abordagem que assenta na imagem cultural e no interesse humano do povo Africano." Esta qualidade intelectual para muitos que se encontram na Diaspora serve de ferramenta para  interpretação da história olhando para as suas próprias culturas e se posicionando face as adversidades que existem na Diaspora. 

Eu particularmente tenho muito respeito pelas nossas culturas e tradições africanas, e em contrapartida, respeito todos os pretos  Africanos que têm preservado as nossas tradições que têm nos dado está memória histórica e colectiva que se revive espiritualmente."

Fonte: Simão Bengui Eduardo (2019) Cc: Aline M. Baldez de Al

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe ficar o seu comentário.

Tecnologia do Blogger.