Pular para o conteúdo principal

Universidades estrangeiras de olhos postos em África


Entre as colinas dos arredores da capital do Ruanda (Kigali), o novo campus da Carnegie Mellon University Africa é uma figura proeminente na paisagem da cidade. A propriedade de 6.000 metros quadrados está localizada dentro do Kigali Innovation City(Cidade da Inovação de Kigali) – um centro de Tecnologia de Informação e Comunicações (TIC), criado para acelerar o desenvolvimento do sector de TIC do Ruanda e transformar o país numa economia baseada no conhecimento.

CMU Africa é uma parceria público-privada entre o governo ruandês e a universidade americana Carnegie Mellon University com sede emPittsburgh (Pensilvânia).

O novo campus, avaliado em USD 12 milhões, tem como objectivo resolver os vários desafios do continente com estratégias adaptadas à conjuntura local, sem perder a competitividade.

Com cerca de 200 estudantes actualmente inscritos, o diretor da CMU AfricaVijayakumarBhagavatula, diz que a missão desta instituição é de prover conhecimento aos estudantes africanos em África, para dar resposta às necessidades de África.

Um indicativo da crescente presença de universidades estrangeiras no continente nota-se pelo número crescente de agências satélite, centros de pesquisa e de programas especializados. Essas universidades aprofundam o seu alcance no continente africano à medida que mais empresas internacionais se estabelecem e buscam os melhores talentos para contratação.

Com uma população jovem em rápido crescimento, os governos africanos buscam gradualmente instituições académicas fortes como um recurso precioso para criar empregos, impulsionar o crescimento a nível da academia e formar empreendedores de topo. As melhores universidades do continente também são lideradas por instituições de pesquisa, principalmente na África do Sul, casos da Universidade da Cidade do Cabo e a Universidade de Witwatersrand.

Aproveitando essa realidade contextual, as universidades americanas oferecem financiamento, espaço e capacidade para fazer exames de ponta em questões que vão desdebig data e segurança cibernética, até inteligência artificial.

Desde o seu lançamento no Gana em 2013, a iniciativa Seed da Universidade de Stanford cresceu de um curso de seis meses para um programa curricular anual, que treina não apenas executivos e fundadores, mas também as suas equipas, no leste e no sul de África. Em 2016, a Universidade de Harvard também apresentou um programa executivo voltado para líderes empresariais no continente africano.

O programa da Universidade de Stanford leva as empresas locais a ganhar entre USD 150 milUSD 15 milhões por ano e ajuda-as a descobrir como crescer e expandir. O treino para proprietários de empresas com628 integrantes até a presente data, inclui módulos de inovação de produtos, gestão, contabilidade e desenvolvimento de estratégias ganhadoras.

Entre as universidades americanas destacam-se ainda aUniversidade Americana do Cairo,no Egiptoa Universidade de Daystar e a Universidade de Strathmore, ambas em Nairobi, no Quênia.

No entanto, estudantes estrangeiros com o objetivo de estudar nos EUA, encontram-se directamente na mira do presidente norte-americano. O seu governo anunciou políticas que restringem o acesso a estudantes internacionais e visitantes nos Estados Unidos, independentemente do facto de emissão de vistos de estudantes F-1 continuar a cair. Além de proibir os cidadãos de alguns estados africanos, o actual governo norte-americano também impôs restrições a vistos e aumentou a deportação de pessoas de países africanos.

Em contra posição, o presidente da Columbia UniversityLee C. Bollinger propôs, em entrevista, a criação de mais um centro académico na África do Sul, para quebrar esse tipo de barreiras.

A China não assiste impávida às medidas do governo americano que também impede que académicos chineses visitem os EUA. Pequim recentemente ultrapassou os EUA no que toca à formação de estudantes africanos tanto na China como em África.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Morre na nigeria a primeira mulher piloto de Helicóptero

A Força Aérea nigeriana (NAF) anunciou hoje (15/04), a morte da primeira mulher piloto de helicóptero Late Arotile, devido a ferimentos causados ​​por um acidente de viação NAF Base Kaduna. "É com muita tristeza que a Força Aérea da Nigéria (NAF) anuncia com tristeza a morte infeliz do oficial voador Tolulope Arotile, que morreu em 14 de julho, como resultado de ferimentos na cabeça sofridos por um acidente de trânsito na NAF Base Kaduna.⁣ “Até sua morte, o oficial voador Arotile, que foi comissionado na NAF em setembro de 2017 como membro do Curso Regular 64 da Academia de Defesa da Nigéria, era a primeira mulher piloto de helicóptero de combate do Serviço. ” “Durante sua curta mas impactante permanência no Serviço, a falecida Arotile, que veio de Iffe na área do governo local de Ijumu, no estado de Kogi, contribuiu significativamente para os esforços para livrar os Estados da América do Norte de bandidos e outros elementos criminosos, realizando várias missões de combate

Rapper sul-africano, AKA se recupera do coronavírus após 13 dias

O rapper sul-africano Kiernan Jarryd Forbes ou simplesmente AKA, se recuperou da doença que assola o mundo depois de ter revelado ter a doença na semana passada. O rapper revelou seu resultado positivo através de um comunicado divulgado nas redes socias na semana passada, onde compartilhou o seu isolamento com todos, já que pretende ser transparente  Com isso, o rapper partilhou  hoje (15/07), no seu Twitter que se recuperou do vírus depois de 13 dias.

Covid-19: Jair Balsonaro volta a testar positivo

Bolsonaro voltou a testar positivo ao novo coronavírus, depois de oito dias do primeiro exame, Jair revelou não ter febre desde o dia 6, nem outros sintomas da Covid-19. Porém, o presidente realizou também análises sanguíneas e um exame ao coração que, de acordo com o próprio, apresentaram resultados normais. Segundo a Tv Miramar, desde que testou positivo à Covid-19, no passado dia 7 de junho, Bolsonaro está em isolamento no Palácio da Alvorada, a sua residência oficial. Na conferência de imprensa que realizou nesse mesmo dia, o presidente desvalorizou o diagnóstico.