Pular para o conteúdo principal

Filme angolano “Njinga-Rainha de Angola” estreia em Washington, EUA



Uma nota de imprensa da Embaixada angolana nos EUA recorda que, na longa-metragem, o papel de NJinga Mbandi é interpretado pela actriz angolana Lesliana Pereira, fazendo ainda parte do seu elenco os actores Erica Chissapa, Ana Santos, Sílvio Nascimento, Miguel Hurst, Jaime Joaquim e Orlando Sérgio.

A produção executiva do filme é de Coréon Dú, Sérgio Neto e Renato Freitas e a realização de Sérgio Graciano.

O evento, uma organização da ONG americana African Diaspora International Film Festival (ADIFF), com o apoio da Embaixada de Angola nos EUA, insere-se no quadro do festival internacional de cinema da diáspora Africana que decorreu em Washington, D.C., de 21 a 23 de Agosto do corrente.

A estreia do filme angolano despertou o interesse de cidadãos americanos ligados à arte e cultura, académicos, estudantes universitários, homens de negócios, amigos de Angola, jornalistas e da comunidade residente, que lotaram por completo, o auditório do Goethe Institute, localizado no centro de Washington, e aplaudiram o filme.

A ADIFF, em actividade durante os últimos nove anos em Washington, promove uma selecção de filmes sobre a experiência de pessoas, com um forte interesse para o continente e a  diáspora africana.

Na ocasião Reinald B. Spech, Presidente da ArtMattan Productions e co-director da African Diaspora International Film Festival, parabenizou Angola pela longa-metragem e pela celebração do 40º aniversário da independência nacional.

Em representação do embaixador de Angola nos EUA, Agostinho Tavares, na sua breve alocução antes da exibição do filme, o primeiro secretário da Missão Diplomática, Cândido Wilson, destacou o papel desempenhado pela guerreira angolana na luta contra o colonialismo português, defendendo durante 40 anos com tenacidade a independência dos reinos de Ndongo e Matamba.

“Dona Ana de Sousa ou Ngola Ana NJinga MBandi ou Rainha NJinga foi uma raínha Ngola dos reinos do Ndongo e de Matamba, no sudoeste de África, no século XVII. O seu título real na língua nacional Kimbundo, NGola, foi o nome utilizado pelos portugueses para denominar aquela região do nosso país”, disse o diplomata.

Prestigiaram o evento, Maggie Johnson, membro do Conselho de Administração do Museu de Arte Africana, que pertence desde 1964 à instituição americana Smithsonian, e Malik Chaka, Director de Programas do Millennium Challenge Corporation (MCC), uma agência de ajuda externa inovadora e independente com forte apoio bipartidário, criada pelo Congresso dos EUA em Janeiro de 2004.

De recordar que NJinga MBandi, já foi considerada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), uma das 25 figuras femininas mais importantes da história de África.

À margem da actividade, esteve patente ao público uma amostra de artesanato angolano, preparada pela Embaixada de Angola nos EUA, numa decoração onde prevalecem o vermelho, o preto e o amarelo, as cores da bandeira nacional, bem como foram oferecidos brindes.

Os participantes tiveram a oportunidade de obter dos diplomatas da missão angolana em Washington informações sobre a cultura e história do país

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Morre na nigeria a primeira mulher piloto de Helicóptero

A Força Aérea nigeriana (NAF) anunciou hoje (15/04), a morte da primeira mulher piloto de helicóptero Late Arotile, devido a ferimentos causados ​​por um acidente de viação NAF Base Kaduna. "É com muita tristeza que a Força Aérea da Nigéria (NAF) anuncia com tristeza a morte infeliz do oficial voador Tolulope Arotile, que morreu em 14 de julho, como resultado de ferimentos na cabeça sofridos por um acidente de trânsito na NAF Base Kaduna.⁣ “Até sua morte, o oficial voador Arotile, que foi comissionado na NAF em setembro de 2017 como membro do Curso Regular 64 da Academia de Defesa da Nigéria, era a primeira mulher piloto de helicóptero de combate do Serviço. ” “Durante sua curta mas impactante permanência no Serviço, a falecida Arotile, que veio de Iffe na área do governo local de Ijumu, no estado de Kogi, contribuiu significativamente para os esforços para livrar os Estados da América do Norte de bandidos e outros elementos criminosos, realizando várias missões de combate

Rapper sul-africano, AKA se recupera do coronavírus após 13 dias

O rapper sul-africano Kiernan Jarryd Forbes ou simplesmente AKA, se recuperou da doença que assola o mundo depois de ter revelado ter a doença na semana passada. O rapper revelou seu resultado positivo através de um comunicado divulgado nas redes socias na semana passada, onde compartilhou o seu isolamento com todos, já que pretende ser transparente  Com isso, o rapper partilhou  hoje (15/07), no seu Twitter que se recuperou do vírus depois de 13 dias.

Covid-19: Jair Balsonaro volta a testar positivo

Bolsonaro voltou a testar positivo ao novo coronavírus, depois de oito dias do primeiro exame, Jair revelou não ter febre desde o dia 6, nem outros sintomas da Covid-19. Porém, o presidente realizou também análises sanguíneas e um exame ao coração que, de acordo com o próprio, apresentaram resultados normais. Segundo a Tv Miramar, desde que testou positivo à Covid-19, no passado dia 7 de junho, Bolsonaro está em isolamento no Palácio da Alvorada, a sua residência oficial. Na conferência de imprensa que realizou nesse mesmo dia, o presidente desvalorizou o diagnóstico.