Pular para o conteúdo principal

Biografia da Kady


Kady nasceu e cresceu na Cidade da Praia, rodeada de música. A mãe, Terezinha Araújo, foi fundadora e cantora permanente do seminal grupo Simentera - ao lado de outras figuras proeminentes da música tradicional cabo-verdiana como Tété Alhinho e Mário Lúcio - e Kady, desde muito cedo, abraçou a música com paixão, tendo ainda criança feito parte dos Mea-Culpa, banda que reunia os filhos dos músicos e cantores dos Simentera.

Paradoxalmente, num país que é capaz de ter a maior percentagem de talentosos músicos per-capita do mundo, tomar a decisão de se dedicar à música a tempo inteiro é ainda difícil, morosa e dolorosa.

Mas Kady nunca teve dúvidas quanto a isso: na adolescência - e depois de ter alcançado o prémio de Melhor Voz Infantil de Cabo Verde, no Festival Internacional dos Pequenos Cantores- atreveu-se a ser vocalista de um grupo rock, os Blende, e fez teatro. 

Já adulta, Kady apostou na formação musical e estudou na Weslyan Univeristy do Connecticut (Estados Unidos), Brasil e Portugal, tendo feito coros para outros cantores e compositores cabo-verdianos da nova geração como Djodje, Dani Santoz, Sara Alhinho ou Ricky Boy.

Agora, com o seu próprio e pessoal caminho aberto e trilhado ao longo de quase uma vida inteira de música e de músicas, Kady apresenta-nos "Kaminho", um álbum maduro, pensado, maturado em longas horas de criação, ensaios e gravações, em que a sua voz é protagonista de canções escritas e compostas por ela e por Djodje (Marta), que é também o produtor do álbum.

Feito de experiências e de escolhas, de cumplicidades e afectos, "Kaminho" junta o melhor da música cabo-verdiana cantada no crioulo deste país às grandes músicas negras norte-americanas, frutos diversos mas irmãos da mesma árvore africana.

By: António Pires - (Music Journalist)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Morre na nigeria a primeira mulher piloto de Helicóptero

A Força Aérea nigeriana (NAF) anunciou hoje (15/04), a morte da primeira mulher piloto de helicóptero Late Arotile, devido a ferimentos causados ​​por um acidente de viação NAF Base Kaduna. "É com muita tristeza que a Força Aérea da Nigéria (NAF) anuncia com tristeza a morte infeliz do oficial voador Tolulope Arotile, que morreu em 14 de julho, como resultado de ferimentos na cabeça sofridos por um acidente de trânsito na NAF Base Kaduna.⁣ “Até sua morte, o oficial voador Arotile, que foi comissionado na NAF em setembro de 2017 como membro do Curso Regular 64 da Academia de Defesa da Nigéria, era a primeira mulher piloto de helicóptero de combate do Serviço. ” “Durante sua curta mas impactante permanência no Serviço, a falecida Arotile, que veio de Iffe na área do governo local de Ijumu, no estado de Kogi, contribuiu significativamente para os esforços para livrar os Estados da América do Norte de bandidos e outros elementos criminosos, realizando várias missões de combate

Rapper sul-africano, AKA se recupera do coronavírus após 13 dias

O rapper sul-africano Kiernan Jarryd Forbes ou simplesmente AKA, se recuperou da doença que assola o mundo depois de ter revelado ter a doença na semana passada. O rapper revelou seu resultado positivo através de um comunicado divulgado nas redes socias na semana passada, onde compartilhou o seu isolamento com todos, já que pretende ser transparente  Com isso, o rapper partilhou  hoje (15/07), no seu Twitter que se recuperou do vírus depois de 13 dias.

Covid-19: Jair Balsonaro volta a testar positivo

Bolsonaro voltou a testar positivo ao novo coronavírus, depois de oito dias do primeiro exame, Jair revelou não ter febre desde o dia 6, nem outros sintomas da Covid-19. Porém, o presidente realizou também análises sanguíneas e um exame ao coração que, de acordo com o próprio, apresentaram resultados normais. Segundo a Tv Miramar, desde que testou positivo à Covid-19, no passado dia 7 de junho, Bolsonaro está em isolamento no Palácio da Alvorada, a sua residência oficial. Na conferência de imprensa que realizou nesse mesmo dia, o presidente desvalorizou o diagnóstico.